Morre Henry Sobel, 75, rabino símbolo da defesa dos direitos humanos no Brasil

155

Com enorme pesar, recebemos hoje pela manhã a notícia do falecimento do rabino Henry Sobel z´l, líder da comunidade judaica brasileira, uma pessoa com uma capacidade única de agregar e congregar e que fez muito pela nossa comunidade e pelo nosso país.

Sobel z´l foi um corajoso defensor dos direitos humanos no Brasil, durante a ditadura militar. Em 1975, na fase mais repressiva do regime, Sobel recusou-se a enterrar o jornalista Wladimir Herzog na ala dos suicidas do cemitério israelita, por rejeitar a versão oficial acerca das circunstâncias da morte do jornalista. Uma voz de coragem em tempos sombrios.

Enquanto liderou o rabinato da Congregação Israelita Paulista, Sobel foi um notável porta-voz da comunidade judaica no Brasil e estabeleceu uma ponte entre as religiões cristãs e o judaísmo, participando de inúmeros cultos e eventos interreligiosos. Sua atuação levou-o a ser considerado uma das maiores lideranças religiosas do país.

Henry Sobel z´l foi um líder religioso de extraordinário carisma, um homem de fé comprometido com os embates de seu tempo.

O nome do rabino Henry Sobel z´l estará para sempre marcardo nos livros da história deste país.

Em nome da comunidade judaica do Estado de São Paulo, prestamos nossas homenagens e transmitimos condolências à família e força aos enlutados.

FEDERAÇÃO ISRAELITA DO ESTADO DE SÃO PAULO