Livro “A Guerra do Retorno” foi debatido em evento com a autora israelense Einat Wilf, o rabino Dr. Ruben Sternschein (CIP) e André Lajst (StandWithUs Brasil)

6

Congregação Israelita Paulista (CIP), em parceria com o StandWithUs Brasil e a  Editora Contexto, realizou, no último domingo (26), o lançamento do livro “A Guerra do Retorno – como resolver o problema dos refugiados e estabelecer a paz entre palestinos e israelenses”.

Com tradução simultânea transmissão on-line, o evento contou  com a participação da autora israelense Einat Wilf e a mediação de André Lajst e do rabino Dr. Ruben Sternschein.

Parte da esquerda israelense que apoia a Solução de dois Estados, Einat conta que deparou-se, ao conversar durante anos com jovens palestinos, com o desejo de terem todo o território do Rio Jordão ao mar. Ou seja: não desejarem um Estado Palestino ao lado do Estado de Israel, mas o Estado Palestino, em vez do Estado de Israel. “E a forma de trazerem essa demanda é o chamado direito de retorno”.

Esse é o tema central do livro, no qual Einat e o coautor, Adi Schwartz, colunista do jornal Haaretz, explicam os motivos pelos quais o retorno inviabiliza qualquer processo de paz. “Acreditam que sete ou oito milhões de palestinos têm o direito de se assentar dentro de Israel, em nome do que chamam de retorno. Porém, se isso ocorresse, Israel se tornaria mais um país árabe, um país áraba-palestino com uma minoria judaica”.

Além disso, Einat lembrou que a absorção é problemática também pelo crescente número de palestinos considerados refugiados — o que vai na contramão de como todos os deslocados por outros conflitos mundiais são tratados. A autora frisa que, enquanto palestinos que refizeram suas vidas no Brasil ou nos Estados Unidos, após 1948, ainda são considerados refugiados do conflito, assim como seus filhos e netos nascidos em território americano ou brasileiro, o mesmo não ocorre com libaneses ou sírios. A perpetuação do status de refugiado também é um entrave à paz.

“A CIP na sua vocação de diversidade teve a honra de iniciar a primeira atividade do que será sua Academia, com a apresentação de um livro polêmico e agregador , tanto para as esquerdas quanto para as direitas, e que busca o pragmatismo ético no lado palestino a partir da esquerda israelense tradicional”, destacou o rabino Dr. Ruben Sternschein.

“Pessoalmente  gostei da jornada da conversa que conduziu a que a análise político-jornalística conclua  na necessidade de se investir em educação a fim de  transformar ideias que permitam reconhecer e perceber os direitos alheios à vida e à dignidade”, complementou Sternschein.

Para André Lajst, o livro “A Guerra” do retorno é uma obra ímpar, crucial para o entendimento profundo dos motivos pelos quais a paz entre israelense e palestinos ainda não foi conquistada. Einat conta de forma cirúrgica quem são refugiados, quem se coloca como refugiado mas na verdade não é e quem usou e ainda usa os refugiados palestinos por motivos políticos e ideológicos.

Sobre o livro:

Em 1948, 700 mil palestinos abandonaram seus lares ou foram expulsos de suas terras em consequência da Guerra da Independência de Israel. Depois de 73 anos, a maior parte dessas casas já não existe, mas milhões de descendentes dessas pessoas se mantêm na região, vivendo em campos de refugiados. Esse grupo – diferentemente de incontáveis outros que foram deslocados na sequência da Segunda Guerra Mundial e de outros conflitos – permaneceu em  instabilidade, exigindo retornar para Israel.

Em A Guerra do Retorno, Adi Schwartz e Einat Wilf – ambos de esquerda e apoiadores de uma solução de dois estados – revelam as origens da ideia de um direito de retorno e expõem como a UNRWA – a agência encarregada pela busca de uma solução para os refugiados – submeteu-se à pressão política internacional, criando assim um problema do “refugiado” de caráter permanente. Os autores defendem que a crença em um “direito de retorno” é um dos maiores obstáculos para uma diplomacia bem-sucedida e uma paz duradoura na região. Em uma pesquisa minuciosa, os autores explicam o histórico da questão e a atuação das forças envolvidas em um intrincado mapa geopolítico.

Sobre os Autores:

Adi Schwartz é um pesquisador e autor israelense. Sua pesquisa se concentra no conflito árabe-israelense, na história de Israel e em temas atuais. Einat Wilf é uma das mais importantes intelectuais públicas de Israel. Foi membro do Parlamento israelense pelo Partido Independência e pelo Partido Trabalhista.

A Editora Contexto: Idealizada pelo historiador Jaime Pinsky e especializada em ciências humanas, a Editora Contexto está presente há 34 anos no mercado editorial brasileiro, publicando obras voltadas para a universidade e para o público geral. Mais informações no portal www.editoracontexto.com.br.

Assista em: https://www.youtube.com/watch?v=NyjPp5tw8-I