Sobreviventes do Holocausto enviam carta a Netanyahu contra deportação de africanos

103

Dezenas de sobreviventes do Holocausto enviaram uma carta ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu na quinta-feira, implorando para que ele não avance com seu plano para deportar os requerentes de asilo africanos de Israel.

“O Estado de Israel, sob seu domínio, se estabeleceu como objetivo de lembrar o mundo das lições do Holocausto”, escreveram os 36 sobreviventes. “Portanto, nós pedimos: interrompa o processo! Só você tem a capacidade de tomar uma decisão histórica e mostrar ao mundo que o estado judeu não permitirá o sofrimento e a tortura das pessoas sob sua proteção “.

Os sobreviventes pediram a Netanyahu que “faça a coisa judaica que Menachem Begin fez quando levou refugiados da Guerra do Vietnã e permitiu que os requerentes de asilo vivessem”.

“Nós – quem sabemos o que significa ser um refugiado, estar sem uma casa ou um país que não nos protege e nos defende da violência e do sofrimento – não podemos entender como um governo judeu pode expulsar refugiados e requerentes de asilo para algo que cause dor, sofrimento e morte”, escreveram.

Os sobreviventes acrescentaram que os judeus que viram o mundo virar as costas para eles na hora mais escura e, que portanto, eles “têm uma obrigação especial de não permanecerem indiferentes e evitar a expulsão de requerentes de asilo. O estado deve conceder-lhes justo asilo e não enviá-los para a morte deles em um país estrangeiro “.

Os signatários citaram o endereço de Elie Wiesel em 2005 na Assembléia Geral da ONU marcando o 60º aniversário da libertação de Auschwitz.

“O passado é o presente, mas o futuro ainda está em nossas mãos. Aqueles que sobreviveram a Auschwitz defendem a esperança, não o desespero … Mas o mundo nunca aprenderá? “, Disse Wiesel.

Em sua carta, os sobreviventes acrescentaram: “Nós, sobreviventes do Holocausto que somos refugiados, pedimos a você, o primeiro ministro de Israel, que aprenda a lição e não expulse de Israel os homens e mulheres que procuram asilo em nosso país”.

Fonte: Instituto Brasil Israel – traduzido do jornal Haaretz