Ministérios de Israel têm o maior número de mulheres da história do país

104

A nova formação do governo israelense terá 27 ministros, sendo 9 mulheres. Em 2020, haviam 34 ministros –o maior gabinete da história do país–, com 8 mulheres.

Os ministérios da Justiça, Economia, Ciências e Tecnologias e Educação, cargos que em 2020 eram representados por homens, agora são ocupados por mulheres.

Ayelet Shaked, 48 anos, entre 2015 e 2019 foi ministra da Justiça, presidente do Comitê Ministerial de Legislação e fez parte do Gabinete de Segurança de Israel. Como ministra, nomeou 40% dos juízes do Suprema Côrte de Israel.

Orna Barbivay, como general, foi diretora do Fundo Nacional de Iniciativas em 2011 e se aposentou do serviço militar em 2014. Foi nomeada uma das 50 mulheres mais influentes de Israel pela Globes.  Em 2016 recebeu o Prêmio Chaim Herzorg – prêmio concedido a quem faz uma contribuição única ao país.

Meirav Cohen liderou a luta contra a exploração e abuso de idosos e fez parte do Câmara Municipal de Jerusalém. Em 2005, foi escolhida pela Revista TheMarker como uma das 100 pessoas mais influentes na economia israelense. Está no ministério da Igualdade Social desde o governo anterior.

Pnina Tamano-Shata é advogada, ativista e jornalista. Em 2012 concorreu ao 19º Knesset (Parlamento) e foi integrante da Comissão da Câmara, da Comissão de Assuntos Internos e Meio Ambiente, da Comissão de Controle do Estado e da Comissão Especial para os Direitos da Criança. Voltou ao Parlamento em 2018 e tornou-se ministra em 2020.

Karine Elharrar foi nomeada presidente do Comitê de Controle de Estado em 2015. Após o fim de seu mandato continuou fazendo parte do Comitê de Controle de Estado e da Comissão de Constituição.

Orit Farkash-Hacohen foi a 1ª mulher nomeada presidente de Autoridade Israelense de Serviços Públicos. Em 2019 foi eleita para participar do 21º e 22º Knesset, sendo ministra da Estratégia, do Turismo e da Ciência e Tecnologia – cargo que ocupa atualmente.

Merav Michaeli coordena a oposição e preside o grupo parlamentar da União Sionista. Tem uma atividade parlamentar extensa, que abrange a luta por direitos trabalhistas, LGBTI, religião e Estado e igualdade de gênero.

Tamar Zandberg, em 2015, atuou como presidente do Comitê sobre Abuso de Drogas e Álcool. Foi membro do Comitê de Assuntos Internos e Meio Ambiente e presidente do Lobby para Incentivo e Melhorias do Transporte Público e Transporte Sustentável.

Yifat Sasha-Biton, educadora, em 2008 foi vice-prefeita de Kiryat Shmona e responsável pelo departamento de educação e juventude da cidade por 5 anos. Em 2019 e 2020 ocupava o cargo de ministra de Construção e Habitação.