Pesquisa liderada por cientistas israelenses mostra que terceira dose da Pfizer multiplica a imunidade

10

A importância de oferecer uma terceira dose da vacina anticovídica para os que tem mais de 60 anos está sendo muito discutida no mundo. Uma nova pesquisa liderada pelo cientista do Instituto Weizmann de Ciências,  Yinon M. Bar-On, trabalhando  juntamente com  um grupo interdisciplinar da Universidade Hebraica de Jerusalém,   Technion, Hospital Sheba  e  Ministério da Saúde de Israel traz indicações claras da eficácia de uma dose de reforço mesmo contra a variante delta atualmente dominante

Em 30 de julho de 2021, Israel foi o primeiro país do mundo a disponibilizar uma terceira dose da vacina da Pfizer contra o Covid-19 para todas as pessoas com 60 anos ou mais e que haviam sido vacinadas pelo menos cinco meses antes. Assim, para a avaliação, os pesquisadores contaram os dados de mais de um milhão de pessoas (1.137.804 pessoas) referentes ao período de 30 de julho a 31 de agosto.

Na pesquisa verificou-se que as taxas de Covid-19 confirmadas e doenças graves foram substancialmente menores entre aqueles que receberam uma dose de reforço (terceira) da mesma vacina. Os inoculados com a terceira dose apresentam índices de contágio com infecções graves de até 10 vezes menos em comparação com aqueles que só receberam as duas primeiras punções.

De forma geral, considerando a variante delta que é mais contagiosa do que a original, e há perda da proteção da vacina com a passagem do tempo, as pessoas que receberam  as três doses da vacina teriam garantida uma proteção no desenvolvimento de casos graves,  semelhante a eficácia reportada originalmente para a variante alfa.

Entenda a importância

Ter dados precisos da proteção adquirida por uma dose de reforço é fundamental para as políticas públicas. A avaliação dos resultados da política israelense eram muito aguardados pelos países que estão explorando estratégias para mitigar a pandemia.  Estudos futuros ajudarão a determinar a eficácia a longo prazo da dose de reforço em relação às variantes atuais e emergentes.

O artigo científico foi publicado no dia 15 de setembro no New England Journal of Medicine e pode ser lido em:  Protection of BNT162b2 Vaccine Booster against Covid-19 in Israel

 Localizado em Rehovot, Israel, o Instituto Weizmann de Ciências é uma das mais respeitadas instituições de pesquisa multidisciplinar no mundo. O Instituto abriga cerca de três mil cientistas, estudantes, técnicos e equipe de apoio. O Weizmann desenvolve uma ampla gama de pesquisas baseadas na curiosidade, para gerar conhecimentos em benefício da humanidade.  O Instituto está sempre em busca de novos caminhos para combater doenças, desenvolver novas tecnologias e materiais e criar estratégias para proteger o meio ambiente.