Rabino, Monja e jornalista lotam a Livraria Cultura em debate sobre a mentira como um obstáculo para a cultura da paz

106

Como a mentira pode ser um obstáculo a cultura da Paz?  Como dividir o mundo entre verdade e mentira? Para discutir esses temas relevantes,  o Ministério da Cultura, a Congregação Israelita Paulista (CIP) e aLivraria Cultura  realizaram nesta terça-feira, 19 de junho, na Arena da Livraria Cultura do Shopping Iguatemi, o evento Dilemas Éticos. Com a Arena completamente lotada, o  Rabino Michel Schlesinger, Monja Zentchu Sensei (que substituiu a Monja Cohen por motivo de doença)  e o jornalista Gilberto Dimenstein debateram o tema “Mentira- Um obstáculo a Cultura da Paz” onde capturaram a atenção do público por quase uma hora e meia.

 Dimesntein abriu o evento com um vídeo mostrando alguns exemplos de fake news que circularam nas redes sociais e até mesmo na imprensa nos últimos tempos. “A verdade passou a ser algo relativo e a mentira não nasceu ontem  e nunca se propagou com tanta rapidez.  O próprio povo judeu  vem lutando contra a mentira e contra o ódio durante toda  sua existência. É preciso bom senso e muito diálogo”, disse ele.

 O encontro abriu o espaço para  temas como o peso das fake news nas eleições,  a mentira como um canal de ódio nas redes sociais, a vida após a morte e   o divino e o pecado, entre outros.

 “Em todos os eventos “Dilemas Éticos”, buscamos abordar assuntos complexos e que sejam relevantes para a sociedade. Hoje  resolvemos falar sobre a mentira como obstáculo para a construção da paz. Mentir é proibido, mas o medo de ser enganado não pode reduzir a liberdade de que cada um tenha e possa demonstrar  sua visão de realidade. A ditadura de uma única interpretação dos fatos é mais assustadora do que a necessidade de checar e confrontar diferentes fontes de informação. O judaísmo combate a mentira historicamente, mas também admite que  ela seja  aceita em situações onde a verdade possa causar um prejuízo ainda maior”, destacou o rabino Michel.

 “A mentira não vem de fora. Ela está dentro de cada um de nós. A cultura da paz está baseada no autoconhecimento e na sabedoria. Temos que assumir a responsabilidade das  nossas vidas para ter um olhar de paz. A verdadeira paz é aquela que está presente em nossas vidas, no corpo, na mente e nas emoções. Uma pessoa em paz, é aquela que é uma só, não está dividida, e está inteira onde estiver.  É exatamente a divisão que  dá espaço para a mentira e o ódio”, frisou a Monja Sensei.

 “Apesar de cada um ter sua visão de mundo, todos se encontraram nas questões essenciais. No final, o que as religiões pregam é a ideia do religar, reconectar o homem a algo maior. Isso se mostrou inclusive nesse espaço.  Inclusive fiquei surpreso com a atenção que as pessoas tiveram do início ao fim do encontro”, concluiu Dimenstein.

 O evento Dilemas Éticos contou com o patrocínio do Itaú-Unibanco, Rosset, GR Segurança, Bemol e Focus Energia. Desde seu lançamento em 2015, ele busca trazer reflexões e questionamentos apresentando diferentes maneiras de se pensar sobre os temas sugeridos. Já foram realizadas diversas palestras que lotaram os teatros da Livraria Cultura do Conjunto Nacional, e dos shoppings Iguatemi,  Villa-Lobos e Bourbon. 

Crédito Fotográfico – Eliana Assumpção