Ato de Yom Hashoa presta homenagem às vítimas do Holocausto e do 07 de outubro

11

O Yom Hashoá, Dia da Lembrança do Holocausto, é uma ocasião solene para honrar a memória dos seis milhões de judeus brutalmente assassinados pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Em Israel, neste dia, as sirenes ecoam e dois minutos de silêncio são observados em um compromisso renovado de “lembrar e recordar – jamais esquecer”.

Para marcar essa importante data, por iniciativa da Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp), a comunidade judaica paulista realizou no domingo, 5 de maio, no Clube A Hebraica, o “Ato de Yom Hashoá”, uma cerimônia emocionante em memória das vítimas do Holocausto, incluindo os seis milhões de judeus e outras minorias dizimadas.

O evento, aberto a toda a comunidade, contou com a presença de sobreviventes do Holocausto, jovens dos movimentos juvenis e lideranças comunitárias. Os participantes foram presenteados com pins do movimento #Pinforpeace, pela paz, contra o terrorismo e o antissemitismo.

A emoção dominou o público quando os sobreviventes do Holocausto subiram ao palco, acompanhados de seus filhos, netos e bisnetos, demonstrando que apesar das tentativas de aniquilar o povo judeu, eles permanecem como testemunhas vivas de resiliência e perseverança.

Também foi prestada uma homenagem às vítimas do atentado terrorista de 7 de outubro, com o simbólico acendimento de sete velas, uma a mais do que o tradicional, em memória dos que perderam suas vidas. Este momento contou com a participação de Rafael Zimmermann, sobrevivente do ataque terrorista em Israel, e do adido da Polícia de Israel, Walter Kogan.

A solenidade contou com discursos do presidente da Hebraica, Fernando Rosenthal, da Federação Israelita, Marcos Knobel, da representante da Agência Judaica, Estela Schor, do presidente da Conib, Claudio Lottenberg, da educadora do Museu do Holocausto, Sarita Saruê, do rabino Toive Weitman, de jovens representantes do Conselho Juvenil Sionista e da sobrevivente do Holocausto, Suzana Venetianer. Todos destacaram a importância de manter viva a memória do Holocausto, lutar contra a intolerância e o ódio, e envolver a juventude na preservação desse legado.

Marcos Knobel, presidente da Federação Israelita do Estado de São Paulo, ressaltou a gravidade do momento atual, caracterizado pelo crescimento alarmante do antissemitismo em todo o mundo, e reiterou o compromisso de combater esse fenômeno.

O presidente da CONIB, Claudio Lottenberg, enfatizou a necessidade de recordar o Holocausto como um compromisso com a justiça, a tolerância e a humanidade, para garantir que atrocidades semelhantes nunca mais ocorram.

A sobrevivente do Holocausto Suzana Venetianer, nasceu na Hungria, em 1941, e sentiu na pele a crueldade contra os judeus sob o regime nazista fez uma fala emocionada. “Como sobrevivente da Shoá, fiquei muito impactada com os ataques terroristas: que me trouxeram dolorosas lembranças do passado”.

A cerimônia incluiu a reza do Kadish e o El Male Rahamim, entoados pelo chazan do Templo Beth El, Marcio Besen acompanhado de Daniel Szafran ao piano, e culminou com todos cantando juntos o Hatikvá, o hino de Israel, seguido da canção Oh Davinu Chai, reunindo todos os presentes em um momento de reflexão e solidariedade.

O Ato de Yom Hashoá foi realizado pela Federação Israelita do Estado de São Paulo e pelo Conselho Juvenil Sionista, com o apoio do Clube Hebraica-SP, Memorial do Holocausto, Agência Judaica, Fundo Comunitário, StandWithUS e Instituto Brasil-Israel.